Emergência climática: o marco de 2019

O ano de 2019 já está chegando ao fim e foi marcado por diversas tragédias climáticas em todo o mundo. Por isso, uma pesquisa feita pelo dicionário britânico Oxford constatou que a expressão “emergência climática” foi aparecida e aumentada mais de 100 vezes, desde setembro de 2018. Os dados foram coletados em um banco com milhões de palavras em inglês.

Segundo o dicionário então, a definição para emergência climática é uma situação que necessita de uma ação urgente para reduzir ou interromper a mudança climática e evitar danos ambientais potencialmente irreversíveis.

Essa escolha é feita anualmente na editora do dicionário, selecionando as palavras que tiveram um grande interesse pelo público em geral. Após essa seleção, as candidatas são levadas a um júri que, segundo a Oxford, é escolhido o termo vencedor, aquele com potencial duradouro e significância cultural.

E comprovamos na prática essa necessidade de uma mudança urgente na área ambiental pelo planeta, tanto pela sua definição conceitual como pelo quadro atual que estamos vivenciando, com os fenômenos decorrentes.

Segundo o dicionário, pesquisas científicas realizadas sobre o tema influenciaram muito no aumento de seu uso neste ano. Mais de 11 mil cientistas e 153 países assinaram um artigo publicado no periódico Bioscience, onde apresentam evidências de que todo o mundo está em crise climática, reforçando uma importância moral dos pesquisadores, para alertar claramente a humanidade sobre qualquer ameaça catastrófica.

Este artigo cita que, desde a Primeira Conferência Mundial do Clima, em Genebra, no ano de 1979, já se alertava sobre as tendências de mudança no clima. Os mesmos avisos foram dados na Eco 92, ocorrida no Rio de Janeiro, durante a elaboração do Protocolo de Kyoto, em 1997, e no Acordo de Paris, em 2015.

Todas essas comprovações só mostram o que já sabíamos há tempos: a necessidade de uma ação efetiva da sociedade e dos governos responsáveis, para melhorarmos e mudarmos esse cenário catastrófico que se encontra o nosso meio ambiente.

Eu, como vereador e ambientalista, estou na linha de frente aqui na cidade de São Paulo para combater esse mal que aflora o nosso clima. Produzimos um dossiê que relata o desmatamento criminoso que está acontecendo nas matas de São Paulo, realizamos com a presença de mais de 1200 pessoas a Conferência P+L e Mudanças Climáticas e acabamos de fazer na Câmara Municipal de SP o Encontro Preparatório para a COP 25, que acontecerá em Madrid, no mês de dezembro.

Precisamos nos unir e lutarmos juntos pela sustentabilidade em São Paulo e no Brasil. Não estamos falando do futuro, estamos falando do presente.

Gilberto Natalini- Ambientalista, Médico e Vereador (PV-SP)