O coronavírus, a vacina e nós

O coronavírus ataca de maneira brutal. A população brasileira após uma remissão do número de casos e de mortes, tomou uma atitude permissiva e desafiadora diante da doença. Isso foi incentivado pelas atitudes irresponsáveis e alopradas dos governantes, em particular do Governo Federal.

O coronavírus respondeu rápida e prontamente com um aumento colossal da transmissão, do contágio e das mortes pela COVID-19. Somente na última terça feira (15/12), foram mais de 900 mortes no país.

Os hospitais públicos e privados estão chegando ao limite da ocupação, em particular nas UTIs. Há locais, como no Rio de Janeiro, que mais de 400 pessoas com COVID-19 aguardam para internação. A crise sanitária com sua sombra macabra avança sobre o país.

E aqui começa a novela…. Ao menos 8 países partiram para pesquisar e produzir uma vacina. Em tempo recorde, a humanidade produz e oferece a vacina contra o coronavírus.

Alguns países como a Inglaterra, os EUA, o Canadá, a Rússia, entre outros já começaram a vacinar seus cidadãos. E o Brasil???

O Brasil, através dos seus ilibados Institutos Butantã e Oswaldo Cruz, entre outros, fez parcerias internacionais para a produção de vacinas, como é a tradição.

Pela competência dessas instituições, essas vacinas estão quase prontas para serem oferecidas à população. Qual é o nosso problema?

Desde o início da pandemia do coronavírus, o Governo Federal do Brasil adotou uma atitude negacionista, irresponsável, leviana, conduzindo o país pelo caminho do desleixo, levando a mais de 180 mil mortes de brasileiros.

Agora, diante da iminência da vacina, mais uma vez o Governo Federal e o Ministério da Saúde desdenham a doença e atrasam a aplicação da vacina no Brasil.

Finalmente, o Presidente do Brasil veio a público, pedindo desculpas, reconhecendo o mal que fez, e garantindo que vai recuperar o tempo perdido. Já passou da hora!

Façamos a revolta da vacina ao contrário! Vacina já!!!!!

Gilberto Natalini
Médico, Ambientalista e Vereador de SP

About natalini