Vem Parque Augusta!

Nesta 5ª feira (20), a Juíza de Direito Maria Gabriella Pavlópoulos Spaolonzi homologou o acordo dos fundos imobiliários proprietários do terreno, com a Prefeitura Municipal de São Paulo e o Ministério Público da capital, para a realização do Parque Augusta. Agora sim o sonho se torna realidade. 

A capital receberá mais uma área verde de lazer para a população. A Prefeitura de São Paulo assinou no dia 10 de agosto, o termo do acordo que permite a criação do Parque Augusta entre as ruas Caio Prado e Marquês de Paranaguá. Esta é uma demanda que coloca fim a uma longa disputa judicial que se estende desde a década de 1970 para a criação de um parque na região central da cidade, carente de área verde. O vereador Gilberto Natalini (PV), candidato a Deputado Federal pelo PV, ao lado da comunidade local, do promotor Silvio Marques e da candidata a Deputada Estadual Celia Marcondes, foi um dos principais articuladores para que o parque saísse do papel.

“Há muitos anos a comunidade luta pela implantação do Parque Augusta, no centro de São Paulo. Participo dessa luta há muito tempo, sempre junto da comunidade. Com muito esforço, conquistamos uma vitória para os defensores do verde, para todos que lutaram bravamente pelo parque e para a cidade de São Paulo. O acordo que permitirá finalmente a implantação do tão sonhado Parque Augusta foi assinado. Será um oásis de área verde no deserto de cimento no centro de São Paulo. A nossa luta valeu a pena. Por São Paulo mais verde e mais sustentável”, disse Natalini.

Parque Augusta

O Parque Augusta fica em um terreno de aproximadamente 24 mil m² no Centro de São Paulo que preserva sua vegetação significativa e bens de valor histórico. Os parques mais próximos são Buenos Aires, Mario Covas e Trianon.

O projeto foi pensado de acordo com os parâmetros definidos no Plano Diretor, que determina uma Taxa de Permeabilidade mínima de 90%, ou seja, somente 10% da área do parque pode ser impermeabilizada. Também foram pensadas diretrizes para garantir a acessibilidade e a preservação do patrimônio tombado na área, que inclui toda a vegetação do bosque, a edificação remanescente do antigo Colégio Des Oiseaux, além do portal localizado na Rua Caio Prado.