Sessão Solene marca 25 anos da Independência da Armênia

Na noite desta 4ª feira (21), o vereador Gilberto Natalini (PV) e o CNA Brasil- Conselho Nacional Armênio realizaram Sessão Solene em Comemoração aos 25 anos da independência da Armênia.

14390984_1158173657581581_781627275230971826_n

Natalini é autor do PL que inclui o Dia do Genocídio Armênio no calendário oficial da cidade de São Paulo e encaminhou ofícios e moção ao Presidente da República Michel Temer, ao Ministro de Relações Exteriores José Serra e também aos Senadores e Deputados, reforçando a importância do reconhecimento do Genocídio Armênio.

14457248_1158173660914914_2708375184578309732_n

“Vocês podem me considerar um amigo da comunidade armênia. Eu vou lutar ao lado de vocês para que o genocídio armênio seja reconhecido pelo governo brasileiro. Contem com esse vereador”, disse Gilberto Natalini.

14364781_636938989817846_449856300906781344_n

A República da Armênia hoje pode ser referida como “a Armênia mais recente “. A Armênia com Yerevan como sua capital, declarou formalmente a sua independência em 21 de setembro de 1991, o dia em que um referendo sobre a libertação da URSS ocorreu em todo o país. Esse voto ocorreu no contexto da flexibilização das restrições de Moscou que vinha acontecendo nos anos anteriores, levando ao colapso da União Soviética em 25 de dezembro de 1991. A República da Armênia foi aceita como membro pleno da comunidade internacional como um Estado soberano depois disso, aderindo à Organização das Nações Unidas em 1992.
Foi um sonho tornado realidade para os armênios em todo o mundo voltar a ter a Armênia no mapa dos países independentes. A Armênia Soviética era um país muito fechado, e as relações entre a República Socialista Soviética Armênia e a Diáspora Armênia eram limitadas. Embora o intercâmbio cultural e educacional, bem como o turismo, ocorriam, eles sempre foram ofuscados pelas restrições impostas pelo Kremlin.
Um grande ponto de virada para a mudança foi o devastador terremoto de 07 de dezembro de 1988, que atingiu o norte da Armênia, causando forte dano em torno das cidades de Spitak, Gyumri (então Leninakan) e Vanadzor (então Kirovakan). A resposta humanitária ao terremoto foi o primeiro grande ato de abertura realizado pela URSS. A ajuda chegava de governos e instituições de caridade no Ocidente, a diáspora armênia se unia para descobrir um país que, antes de tudo, precisava de ajuda, mas também um país com o qual a maioria não tinha tido quaisquer conexões reais e profundas desde o Genocídio (ou mesmo antes, no caso de algumas comunidades).
A Constituição da República da Armênia – adotada em 5 de julho de 1995, alterada em 2005 – dá ao país o projeto de uma república democrática. O presidente é o funcionário público mais importante, o mais poderoso, embora a Assembleia Nacional (o parlamento, que equivale ao Congresso dos Estados Unidos) também tem sua parcela, assim como o governo (isto é, o primeiro-ministro e o gabinete), na definição das leis do país.
A República da Armênia é considerada o lar nacional para os povos armênios dispersos – o ponto de encontro para todos os grupos e diversos representantes de armênios em todo o mundo. Projetos da diáspora na República variam de investimentos empresariais ao trabalho voluntário, a assistência do setor público e infraestrutura, para não falar de atividades artísticas e culturais e laços religiosos. Muitos armênios da diáspora fizeram a mudança definitiva para Yerevan e em outras partes do país ao longo dos anos.
Participaram da mesa diretora: Vereador Gilberto Natalini, Embaixador da Armênia no Brasil Ashot Galoyan, Dr. Everton Zadikian- CNA, Dom Nareg Berberian- Bispo Primaz da Igreja Apostólica Armênia no Brasil, Sr. Dikran Kiulhtzian – Vice presidente executivo na Igreja Apostólica Armênia do Brasil, Irmão Garo Aharonian – representando a Igreja Evangélica Irmãos armênios, Sr. James Onnig Tamdjian – representando a HO HI TA -TRO – Tashnagtsutiun e a Sra. Anahid Rizian Bogiatzian – representando o Conselho Nacional Armênio da América do Sul. Na ocasião foram homenageados o vereador Gilberto Natalini, o tenor Jorge Durian,  Dom Nareg Berberian, Professor Doutor Antranik Manissadjian – Presidente executivo da Igreja Apostólica Armênia do Brasil  e a Sra. Anahid Rizian Bogiatzian.

About natalini

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.