São Paulo debate a política para o verde na metrópole

Aconteceu nesta segunda-feira (3), na Câmara Municipal de São Paulo, o 1º Seminário “Parques, Praças e Áreas Verdes, Custo ou Investimento”, promovido por um coletivo de movimentos ambientalistas, técnicos focados na questão urbana e ambiental,  integrantes de conselhos de orientação dos parques municipais da Capital e dos Conselhos Regionais de Meio ambiente (Cades), que contou com total apoio do vereador Gilberto Natalini (PV-SP). O encontro se dá em meio ao mais extenso programa de concessões de áreas verdes em curso na cidade e no estado de São Paulo.

O Seminário colocou em questão a integração da natureza com a mancha urbana, as ações do poder público junto às áreas de preservação da natureza da cidade de São Paulo, convidando a população a dialogar sobre o tema com técnicos, especialistas, professores universitários, conselheiros gestores de parques, ativistas, integrantes de movimentos de bairros e vereadores.

Fora abordada a gestão e o planejamento desses espaços e como eles são determinantes em questões como a regulação do clima, drenagem, porosidade do solo, abastecimento de água, saúde pública, impactos econômicos, evitação de enchentes entre outras que afetam o dia a dia da população.

Foi debatida, também, a retirada do caráter deliberativo dos Conselhos Gestores dos parques municipais, reduzindo drasticamente sua participação nos processos atuais de concessões de áreas.

A palestra magna foi do biólogo Marcos Buckeridge, pesquisador Científico do Instituto de Botânica de São Paulo (Jardim Botânico) durante 20 anos e presidente da Academia de Ciências do Estado de São Paulo. Também aconteceu um painel sobre a situação dos parques metropolitanos.

“Estão devastando as áreas verdes da cidade e os Governos estão inertes. Daqui a pouco não teremos mais nada. Um Seminário como esse é de extrema importância, pois junta forças entre a sociedade civil e parlamentares que querem mudar essa situação”, disse Natalini.