Natalini participa da abertura do Fórum Waste Expo Brasil sobre resíduos sólidos

O Brasil de mais de 200 milhões de habitantes que gera quase 80 milhões de toneladas de rejeitos por ano e recicla 3% do total, ainda tem muito a crescer. Da mesma forma, o país que controla e destina pouco mais da metade dos seus resíduos para aterros sanitários, e não possui sequer coleta domiciliar em quase 500 municípios, ainda tem muito a evoluir.

15170956_578540809000770_6304293511195212224_n

Ao olharmos para o futuro e entendermos nossas diferentes carências e vislumbrarmos nossas oportunidades, temos a convicção que a Feira Waste Expo Brasil 2016 será um importante elo entre os fabricantes, os operadores, os técnicos e os municípios.

15193505_578540819000769_4076266071600113103_n

O vereador Gilberto Natalini (PV/SP) participou da abertura, juntamente com o Ministro do Meio Ambiente- Sr. José Sarney Filho, o Secretário de Meio Ambiente- Sr. Ricardo Salles, entre outras autoridades e personalidades.

15181439_578541002334084_836463113541611872_n

A Feira Waste Expo Brasil 2016 é o único evento comercial no país totalmente focado em promover a Gestão de Resíduos Sólidos, e a oferecer, por um lado, a participação das principais empresas nacionais e internacionais do setor a procura de novos e qualificados clientes, e por outro lado, garantir a visita de gestores focados em conhecer e adquirir novas tecnologias, equipamentos e máquinas para RSU – Resíduos Sólidos Urbanos.

15135854_578540815667436_1695178978756414328_n

O ministro do Meio Ambiente, Sarney Filho, defendeu a realização de consórcios públicos como uma das saídas para a viabilização da implantação dos aterros sanitários nos municípios brasileiros que passam por dificuldades técnicas, administrativas e financeiras para manter e operar a adequada destinação dos resíduos.
“O problema dos resíduos sólidos será uma das prioridades do governo Doria.  Em São Paulo temos um meio equacionamento, SP coleta os resíduos de casa em casa, e tem destinação correta, no entanto o custeio é autíssimo, só perde para o custeio de ônibus urbano, do ponto de vista do mês a mês. A reciclagem em SP é feita em torno de 6% a 7%, mas há uma quantidade enorme de munícipes e entidades que fazem isso por conta própria, como é o exemplo da Reciclázaro. Precisamos avançar muito com relação a reciclagem na cidade”, disse Natalini.

About natalini

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.