Delegado acusado de tortura na ditadura “foge” e Comissão da Verdade ouve denúncias de vítimas

A Comissão da Verdade Vladimir Herzog, da Câmara Municipal de São Paulo, presidida pelo vereador e médico Gilberto Natalini (PV-SP) ouviu neste dia 25 de março, pela manhã o depoimento de duas mulheres ex-presas políticas e vítimas de torturas durante o regime militar Lenira Machado e Rita Sipahi que denunciam o delegado Dirceu Gravina por torturá-las nas dependências do Doi-Codi.

FotoComVerdade250314

Gravina era conhecido à época pelo apelido de “Jesus Cristo” por usar cabelos compridos e roupas à moda hippie, era delegado de polícia e atuou no Doi-Codi de São Paulo entre 1971 e 1972 e é acusado por assassinato e tortura de presos políticos.
Gravina, que vive em Presidente Prudente no interior do Estado, e trabalha como delegado de polícia, viajou a noite toda para depor na Comissão Vladimir Herzog, mas não passou da porta da Câmara. Chegou a conversar com os membros da comissão – o presidente Natalini, o relator vereador Mário Covas Neto (PSDB) e Toninho Vespoli (PSOL). Durante a conversa os parlamentares argumentaram sobre a importância da participação de Gravina, mas ele se dispôs somente a falar em depoimento fechado.
Ele se negou falar aos parlamentares e com a imprensa presente no local.
Natalini explicou que Gravina teria entendido que ele foi convocado e não convidado e que a audiência seria somente com os vereadores. “Nossas audiências nunca são assim. Todo mundo sabe que as audiências aqui são abertas”.
Agora a Comissão Vladimir Herzog vai solicitar, por meio de ofício, à Comissão Nacional da Verdade para que Gravina seja convocado a depor, a exemplo do que foi feito com Carlos Alberto Ustra, ex-chefe do DOI-Codi, e com Aparecido Calandra.
DEPOIMENTOS
FotoComVerdade250314_01
“No DOI-Codi “Jesus Cristo”, como ele era chamado, gritava, me xingava e eu insistia que não era da organização da qual ele me acusava pertencer. Foi aí que pessoalmente JC começou a me dar choques”, afirmou Rita Sipahi em depoimento à Comissão da Verdade sobre o seu primeiro encontro com o delegado Dirceu Gravina, em maio de 1971.
Rita pertenceu ao Partido Revolucionários dos Trabalhadores (PRT) e lutava contra a ditadura militar.
“No tempo que passei lá fui torturada várias vezes. Em outras ocasiões, eles queriam saber o endereço de uma companheira de luta e aí levei muitos choques, principalmente na vagina. Tomei uma injeção que não sabia o que era e também fui colocada no pau de arara. E acabei falando o endereço dela”, contou Rita.
Também militante do PRT política à época, Lenira Machado, hoje com 71 anos, esteve na reuniu da Comissão da Verdade para relatar que foi submetida à tortura Gravina. Segundo ela, choques elétricos na chamada “cadeira do dragão” foram um dos métodos usados na tortura.
“Fiquei com uma diferença de cinco centímetros de um pé para o outro. Consegui recuperar quase tudo e hoje já ando de salto alto. Até 1985 eu também tinha muita dor constante pelo corpo, mas com tratamentos elas praticamente sumiram. Dependendo de como eu ande ainda sinto”.

About natalini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *